Môce dum Cabréste, o comediante Algarvio!

Janeiro 2, 2016

Dário Guerreiro deu início à persona em 2010, por influência de alguns vídeo-bloggers americanos, sendo que a escolha do nome foi muito intuitiva, pois sempre foi uma expressão comum na infância do comediante, talvez por ser um menino travesso.

Quando o conheci, cheguei quase automaticamente, à conclusão que o Môce dum Cabréste é um “upgrade” do Dário. A pronúncia e a sua forma de pensar e ver o mundo são, talvez, os factores diferenciadores mais evidentes.

O Môce já foi criticado por uns, por dizerem que não tem piada, mas é algo inevitável, após a exposição pública. No entanto o que mais o preocupa, não são essas opiniões sobre si, mas sim que os que lhe deram força para avançar, não se venham a arrepender de o encorajar e que quando já não o estejam a aguentar ouvir, ele já não se cale.

A esta altura, Dário confessa que, os vídeos do canal do Môce dum Cabréste, tiveram tanto sucesso que já se tornou impossível dissociar a persona do Dário, revelando ainda que, no Algarve, o Môce é um nome mais familiar e traz sempre um certo carinho por parte de quem, de alguma forma, se sente representado pelas palavras que diz.

Quanto aos que não sabem pronunciar Môce dum Cabréste, acabam sempre por chamá-lo Dário Guerreiro.

Mas houve um tema que sempre me intrigou e não resisti a perguntar: – Porque razão acha que as pessoas, criticam tanto o uso de palavrões.

O comediante deu-me a sua opinião, acerca deste assunto, de certa forma, delicado: “Por pudor, acima de tudo. As pessoas que o fazem terão sido alvo de alguma repressão nesse sentido aquando da formação da sua personalidade e nunca conseguiram desvincular-se disso. Depois acabam por, ainda que inconscientemente, passar esses valores para os seus descendentes. O maior problema deste dilema é fazer entender algumas pessoas que não é a utilização de certas palavras que faz de alguém malcriado. A boa educação está (ou devia estar) na forma como tratamos o próximo e não na palavra que usamos para descrever um órgão sexual, por exemplo. Felizmente as novas gerações já vão compreendendo isso. “

Ok, fiz batota! Coloquei aqui exactamente a resposta que o Môce dum Cabréste me deu, mas foi só porque achei que a resposta estava muito bem estruturada!

E isto porquê?! Porque o Dário Guerreiro, para além de grande comediante, também se destaca na sua escrita. O pouco que conheci deste rapaz é que é um excelente comunicador seja por escrito ou na forma verbal!

É um tipo tão inteligente, que poderia escrever um livro. Ups, já o fez! Chama-se Tique Tal!

Já é possível comprar! No entanto tenham cuidado, pois pode ser extremamente nocivo para as mentes mais sãs! É que, podendo escrever acerca de temas que fizessem usar mais dinamicamente os neurónios, o autor decidiu escrever uns poemas acerca das coisas mais estúpidas e básicas, para que seja de fácil leitura para todos, especialmente nós Algarvios!

Para concluir, não vão vocês se queixar que o texto é muito extenso e aborrecido, ainda mais sendo sobre um comediante; fiz algumas perguntas ao Môce dum Cabréste e aqui estão, com as devidas respostas do próprio, para que o passem a conhecer ou ainda o fiquem a perceber muito menos:

 

P. Diz-me uma mensagem que queiras transmitir aos algarvios, portugueses, mundo, enfim, qualquer um que te interesse.

R. Não se levem tanto a sério. A sério! Nada nem ninguém deve ser visto de forma tão austera que desencoraje qualquer pessoa, seja ela quem for, a fazer piadas sobre isso.
P. Quais os comediantes com que te identificas?

R. Louis CK, Ricky Gervais, Bill Burr, Amy Schumer, Sarah Silverman, Tim Minchin, Bo Burnham, George Carlin, Bill Hicks… Em Portugal, Bruno Nogueira e Ricardo Araújo Pereira serão sempre escolhas obrigatórias para quem tem bom gosto no que toca ao humor.
P. O Dário tem namorada, por isso tem sucesso demonstrado com as miúdas. E o Môce dum Cabréste tem sucesso com as gajas?

R. Nem por isso. Até porque eu próprio sou a primeira pessoa a desencorajar os fanatismos. Uma pessoa que goste demasiado de algo, seja do que for, não pode ter as ideias todas no lugar certo.
P. Qual seria a reacção do Môce dum Cabréste se lhe pedissem para animar uma festa de crianças?

R. Rir-se-ia. Depois continuaria o que estava a fazer anteriormente na esperança de que esse pedido não tivesse passado de uma piada.
P. E se fosse para uma despedida de solteira?

R. Todos temos um preço.
Nota: Quanto às fotos apresentadas neste Post, também fiz batota, porque o Môce dum Cabréste ultimamente anda ocupado a fazer a Apresentação do seu Livro por várias cidades de Portugal e seria difícil “apanhá-lo”! Qual é o livro? É o Tique Tal! E aviso já que já o estou a acabar de ler, para depois falar mal e fazer rabiscos na “fronha” do autor! 😉Mocedumcabreste1

As fotos apresentadas foram retiradas da página de Facebook do Môce dum Cabréste.

Você também pode gostar de

2 Comments

  • Reply Marilia Duarte Domingo, 3 de Janeiro de 2016 at 10:16

    O texto é um pouco longo, mas tinha que ser! pois mesmo assim ficou de certeza, muito por dizer! Quanto aos palavrões: concordo plenamente que não é isso que torna ninguém mal educado. Quantas pessoas há, – que sem nunca os dizerem, não têm educação nenhuma, nem respeito pelos outros?!
    Acho que ficava bem estar aqui a fotografia do livro.

  • Reply Tique Tal- O livro do Môce dum Cabréste que pode ser lido em qualquer ocasião! – 25 Horas de Moda Terça, 26 de Janeiro de 2016 at 09:15

    […] que terminei de ler o livro Tique Tal do Môce dum Cabréste (Môce dum Cabréste, o comediante Algarvio!), decidi vos dar algumas informações que acho necessárias acerca da obra, e desde já vos aviso […]

  • Responder a Marilia Duarte Cancel Reply